[Coluna] Nas Entrelinhas – Me leve agora!, por Ricardo Biazotto

nasentrelinhas-15

Me leve agora!
Ricardo Biazotto

E o Anjo foi-se aproximando, / A fronte do homem tocou,
Com infinita doçura / As magras mãos lhe cerrou…
Era o carinho inefável / De quem ao peito o criou.
Era a doçura da amada / Que amara com mais amor.
O Homem e a Morte — Manuel Bandeira

Os meus olhos se abrem e encaram o quarto escuro. Incomodado com a forte dor de cabeça, tento refazer os passos que me trouxeram até aqui. Me lembro de estar enchendo a cara e insistindo que voltaria para casa apenas quando Thais estivesse me esperando. Porém não estou em meu quarto e a prova é o cheiro de cigarro que invade o ambiente. Entre um pigarrear e outro, perguntas se confundem em minha mente perturbada pelo abandono. Ouço passos e, sem temer as consequências, apoio as mãos no colchão, que fede a vômito e urina, e me levanto enfrentando as dores em meu corpo. Arrasto meus pés pelo chão molhado por um líquido viscoso e vou de encontro ao ruído cada vez mais próximo.

De repente paro de supetão. O ranger da porta de madeira desvia minha atenção e o breu dá lugar à penumbra. Um forte clarão me cega, me obrigando a esfregar os olhos… me surpreendo ao ver a silhueta perfeita de uma mulher em um vestido negro sensual. Ela caminha a passos lentos e não evito o sorriso ao perceber que Thais é quem vem ao meu encontro. Face a face, encaro seus olhos verdes, cobertos por lágrimas de decepção, e o sorriso farto que me apaixonei em outrora. Em um sussurro, ela questiona se aceito acompanhá-la e estende suas mãos, como se lesse meus pensamentos e soubesse a minha resposta: Sim, me leve agora! Não me deixe mais aqui sozinho, por favor. Me leve agora!

Com ela vou a qualquer lugar, por isso entrelaço meus dedos calejados aos seus e caminho ao seu lado, sem perceber a foice que esconde por trás de seu corpo. Apenas quando sua pele macia se enruga e o perfume de jasmim ganha toques de podridão que percebo onde me meti. Não há mais o que fazer, a não ser acompanhá-la para onde quer que esteja me levando e esperar enquanto meu fim se aproxima.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *